Pesquisar este blog

Loading...

domingo, 5 de agosto de 2012

PANTERA NEGRA

Os mais antigos Umbandistas da década de 70, tiveram o privilégio de conhecer esta poderosa entidade já em seus primeiros anos de manifestações e trabalhos de caridade na Gloriosa Umbanda.


Hoje em dia seus antigos médiuns já não se encontram conosco, e são poucos dos médiuns atuais que realmente trabalham com essa poderosa entidade de forma correta e sem mistificações.


Só o nome já chama a atenção, causa uma certa curiosidade nos mais aficcionados pela Umbanda ou Quimbanda em conhecer esta entidade e saber mais um pouco, muitos tem mistificado usando o nome deste poderoso Caboclo Quimbandeiro para se destacar, ou se promover no meio Umbandista e até se impor como sendo de maior axé dentro dos cultos.


Mas na verdade o Sr. Pantera Negra, ou para os mais íntimos, Sêo Pantera, escolhe a dedo seus médiuns, sendo muito rara sua manifestação através da incorporação.


Uma das particularidades deste poderoso Caboclo Quimbandeiro ( não usarei o termo Exú, mesmo girando na Quimbanda ele continua a ser um Caboclo ) é a sua capacidade de manifestar-se à qualquer hora do dia ou da noite, sendo por isso muito solicitado em casos de difícil solução, pois detém o poder de resolver até mesmo coisas que julgamos impossíveis.


Quando manifestado através da incorporação, fala com tremenda autoridade, firme ao falar, cumpre o que diz e jamais deixa um filho-de-fé sem uma solução para seus problemas.


Na Quimbanda por questões evolutivas não aceita sacrifícios de animais em suas obrigações e assentamentos, jamais se manifesta imitando o animal Pantera ou qualquer outro felino, apenas os mistificadores é que se valem disso para impressionar os menos esclarecidos.


O Caboclo Pantera Negra é um dos espíritos oriundo da Tribo Hopi dos EUA, ostenta o nome de Pantera Negra por conta de sua coragem e determinação, força e espírito guerreiro, qualidade que só os Panteras Negras possuem, alguns estudiosos afirmam que ele seja de origem Tupi, coisa realmente impossível, pois a Linha dos Caboclos Quimbandeiros tem em suas fileiras apenas espíritos pertencentes à tribos indígenas da América do Norte.


Na Quimbanda ele é responsável pela chefia da segunda e mais temida Linha de Quimbanda, a Linha dos Caboclos Quimbandeiros, ele possui atributos diferentes dos demais Exús, sendo muitas vezes solicitado para trabalhos de Magia Negra e demandas espirituais, tanto ele como seus subordinados, os Caboclos Quimbandeiros.
Quando manifesto em uma sessão de Umbanda trabalha da mesma forma que nas giras de Quimbanda, sempre firme, ouve as súplicas de seus filhos-de-fé e sempre esta disposto para assumir o caso e dar uma solução o mais rápida possível.


Seu curiador ( bebida ) seja na Umbanda ou Quimbanda é sempre o vinho tinto, bebe marafo ( cachaça ) apenas quando está em trabalhos de demanda ou em casos extremos onde é necessário manipular energias mais pesadas em prol do progresso de seus filhos-de-fé.
Bem como nos primórdios da Umbanda e da Quimbanda haviam médiuns que supostamente incorporavam o Sêo Pantera Negra e comportavam-se como animais ferozes e selvagens, muitas das vezes precisavam ser amarrados quando manifestos, um tipo de manifestação medíocre e infeliz, que serviu por anos como meio de impor o medo nas pessoas e o temor em cultuar esse poderoso Caboclo, que em momento algum imita algum felino em sua manifestação na terra.

Seus médiuns de incorporação são sempre do sexo masculino, são raros os casos de médiuns do sexo feminino, ele também jamais admite mentiras ou mistificações em seus trabalhos, além disso não usa cocares de penas em sessões de Umbanda nem paramento algum quando se manifesta para prestar a caridade, na Quimbanda quando manifesto jamais usa chapéus na cabeça, gosta sempre de olhar nos olhos de seus filhos e filhas-de-fé, sempre trabalha de pés descalços, encara com firmeza seus consulentes, mas pode sim usar capa como forma de mostrar seu caráter Quimbandeiro e como indumentária do culto.


Seu assentamento ou o assentamento de dos componentes da Linha dos Caboclos Quimbandeiros é feito com muito mironga e com fundamentos bem diferentes do que costumamos ver em várias casas que cultuam a Quimbanda.


texto passado pelo sacerdote João Ataides (ESTADO DO PARANA)